Como aplicar os 40% EaD em cursos presenciais com eficiência

Compartilhe este artigo:

Portaria que amplia a carga horária para 40% EaD em cursos presenciais de ensino superior pode ser uma vantagem competitiva para as IES, desde que aplicada com eficiência, inovação e tecnologia.

Com crescimento de 375,2% entre 2007 e 2017, conforme apontou o último Censo da Educação Superior, e com tendência de ascensão ainda maior nos próximos anos, a Educação a Distância é a modalidade de ensino do momento. A EaD conquistou os estudantes trazendo objetos de aprendizagem diferenciados, inovadores e tecnológicos. Outro fator que amplia ainda mais a probabilidade de crescimento foi a portaria que aumenta a carga horária de 20% para 40% EaD em cursos presenciais.

A metodologia de ensino tem garantido maior eficiência no processo de ensino-aprendizagem, e a variedade de materiais didáticos com tecnologia educacional aplicada tem formado profissionais que interagem melhor com a área. O resultado do avanço da EaD reflete positivamente para as empresas que contratam pessoas que estudaram em salas de aula virtuais, uma vez que o perfil desses profissionais está mais bem alinhado à necessidade do mercado de ter processos mais ágeis, tecnológicos e eficientes.

Profissionais formados na modalidade EaD ou presencial tem a mesma aceitação no mercado de trabalho!

Outro destaque que tem ampliado a escolha de cursos EaD, está nos processos de recrutamento e seleção. Em entrevista para o portal UOL Educação, a Diretora da Associação Brasileira de Recursos Humanos (ABRH-Digital), Eliane Aere, salienta que na percepção dos Departamentos de RH e das lideranças das empresas, a modalidade EAD tem sido tão aceita quanto a presencial. Ela diz ainda que a carga horária e a avaliação do curso no MEC são fatores importantes a serem avaliados.

Com a portaria que amplia a carga horária para 40% EaD em cursos presenciais de ensino superior, a universidade ganha a possibilidade de implementar novos métodos de aprendizagem, garantindo uma experiência mais ativa e interativa para os alunos. Além de contribuir com a democratização do ensino superior, a IES também poderá ampliar a oferta de cursos.

Graduanda em Marketing, Andressa Santos (24 anos), escolheu a EaD pela identificação com a metodologia. Ela também já atua no mercado e quando buscou a oportunidade de trabalho, a vivência e interação com a tecnologia foram fatores importantes na contratação.

“Quando eu optei pela graduação EaD, a flexibilidade de horário e o valor do curso não foram os principais pontos que influenciaram na minha escolha. Eu busquei um curso EaD pela identificação com a metodologia de ensino. Por meio dela e da variedade de materiais interativos, consigo aprender de forma mais eficiente, além de ter experiências que o presencial não me permitiria, como, por exemplo, reassistir às vídeoaulas e interagir tecnologicamente com os objetos de aprendizagem”.

O que muda e quem pode oferecer 40% EaD em cursos presenciais

Diferentemente dos 20% EaD, tema que já foi abordado em webinar, as Instituições de Ensino Superior (IES) precisam atender a critérios de qualidade nos indicadores produzidos pelo Ministério da Educação para aplicar até 40% EaD em cursos presenciais.

O primeiro critério é que a nova regra não se aplica aos cursos presenciais das áreas de saúde e das engenharias.

O limite de 20% poderá ser ampliado para até 40% se a IES estiver credenciada em ambas as modalidades, presencial e a distância, e apresentar Conceito Institucional (CI) igual ou superior a 4. Além disso, o curso deve ter indicador 4 ou acima disso no Conceito de Curso (CC).

É imprescindível que as disciplinas na modalidade a distância estejam claramente identificadas na matriz curricular do curso. Além disso, o projeto pedagógico do curso deve indicar a metodologia a ser utilizada nestas disciplinas.

Muito importante: a oferta das disciplinas previstas deverá incluir métodos e práticas de ensino-aprendizagem que incorporem o uso integrado de tecnologias de informação e comunicação para a realização dos objetivos pedagógicos; material didático específico; bem como a mediação de tutores e profissionais da educação com formação na área do curso e qualificados em nível compatível ao previsto no projeto pedagógico do curso e no plano de ensino da disciplina, que deverão descrever as atividades realizadas a distância, juntamente com a carga horária definida para cada uma, explicitando a forma de integralização da carga horária destinada às atividades on-line.

Por fim, as faculdades e cursos com indicadores menores que 4 estão sujeitas ao limite de até 20% EaD. Confira a portaria na íntegra aqui.

Compartilhe este artigo:

Sobre o Autor

Delinea Tecnologia Educacional

Equipe de Comunicação da Delinea Tecnologia Educacional